Tendinite

Compartilhar com:


 

A tendinite é a inflamação do tendão, uma estrutura fibrosa, como uma corda, que une o músculo ao osso. A inflamação se caracteriza pela presença de dor e inchaço do tendão e pode acontecer em qualquer parte do corpo, mas é mais comum no ombro, cotovelo, punho, joelho e tornozelo.

À medida que o corpo vai envelhecendo, os tendões começam a perder a elasticidade, de modo que o risco de surgimento das tendinopatias se torne maior. Nesse sentido, a tendinite pode ter duas causas: a mecânica e a química.

A mecânica é provocada devido à realização de movimentos e de esforços prolongados, contínuos e repetitivos sobre o tendão. A causa química acontece devido a fatores e reações bioquímicas internas do corpo, como a alimentação incorreta e a produção e liberação de substâncias tóxicas pelo organismo, além da falta de drenagem adequada, o que gera a desidratação dos músculos e dos tendões.

A tendinite na mão é uma inflamação que acontece nos tendões das mãos localizados na parte dorsal e palma da mão. O uso excessivo e movimentos repetidos podem ser os causadores da tendinite, desenvolvendo sintomas como inchaço, formigamentos, ardências e dores nas mãos, mesmo com pequenos e leves movimentos.

Uma diferença entre tendinite e bursite pois a tendinite é a inflamação do tendão, a parte final do músculo que se liga ao osso, e a bursite é uma inflamação da bursa, uma pequena bolsa cheia de líquido sinovial que serve de “almofada” para determinadas estruturas como tendões e proeminências ósseas.

 

Quais são os tipos de tendinite mais comuns?

Tendinite de Aquiles — tendão situado entre o calcanhar e o músculo da panturrilha;

Tendinite do Manguito Rotador — chamado de “ombro de tenista”;

Epicondilite Lateral ou Medial — conhecida como ”cotovelo de tenista”;

Epicondilite Medial — conhecida como “cotovelo de golfista”;

Tenossinovite Estenosante de DeQuervain — tendão entre o polegar e o pulso;

Dedo em Gatilho — a bainha do tendão da palma da mão fica grossa e inflamada, formando nódulos.

 

Quais são os fatores de risco?

Existem situações que potencializam a probabilidade de surgimento da tendinite.

  • Falta de alongamento muscular que causa sobrecargas no tendão;
  • Envelhecimento — os tendões vão perdendo a flexibilidade à medida que envelhecemos. Isso os torna mais suscetíveis ao surgimento de lesões;
  • Doenças como diabetes e artrite reumatoide;
  • Postura inadequada— causa sobrecarga, maior atrito e lesão dos tendões;
  • estresse — causa fadiga e contraturas musculares, muitas vezes involuntárias;
  • Doenças autoimunes — as células de defesa do organismo confundem os tendões como uma estrutura desconhecida e agem com o intuito de destruí-las;
  • Movimentos repetitivos e esforço vigoroso, principalmente devido ao click here trabalho excessivo;
  • Praticantes de esportes como corrida, tênis, natação, basquete, golfe, beisebol etc.

 

Sintomas

Os sintomas da tendinite no ombro, braço ou antebraço incluem:

  • Dor num ponto específico do ombro ou antebraço, que pode irradiar para o braço, dificuldade em realizar algum movimento com o braço, como levantar os braços acima da cabeça e dificuldade em segurar objetos pesados com o braço afetado.
  • Dor no tendão que pode irradiar para a musculatura do entorno e que se torna mais forte conforme a área acometida é movimentada;
  • Sensação de que o tendão está crepitando quando se move;
  • Inchaço na região afetada;
  • Vermelhidão e calor na área acometida;
  • Aparecimento de um caroço por toda a região do tendão;
  • Diminuição da força;
  • Atrofia da musculatura, em casos mais graves;

Caso haja a ruptura do tendão, é possível sentir uma abertura ao longo dessa linha.

 

Causas

Surge usualmente através do excesso de repetições de um mesmo movimento (LER – Lesão por Esforço Repetitivo). Não é adquirida necessariamente no trabalho, mas com a difusão da inflamação, tornou-se uma importante doença ocupacional.

 

Diagnóstico

Os exames de imagem são chamados de exames complementares, ou seja, apenas complementam o diagnóstico. Existem alguns exames que podem ser feitos para identificar as tendinites, os mais comuns são ultrassonografia e a ressonância nuclear magnética.

 

Questionário sobre a dor
  • Onde é a dor?
  • Quando os sintomas começaram a se manifestar?
  • A dor surge quando você movimenta a região?
  • Você sofre de alguma doença autoimune?
  • Existe alguma lesão no local afetado?
  • Há algum inchaço ou vermelhidão?
  • Você executa movimentos repetitivos no seu emprego?
  • Você pratica algum tipo de esporte?
  • Você faz alongamentos com frequência?

 

Tratamento

Está baseado na causa em si. A tendinite é uma doença que tem cura. No entanto, para que o paciente consiga melhorar o quadro e se restabelecer totalmente, é essencial seguir à risca as determinações médicas e evitar os esforços físicos que causaram o problema, pelo menos até que o tendão se recupere, de fato. São cuidados muito importantes para prevenir o surgimento de lesões crônicas e até mesmo a ruptura do tendão.

O objetivo inicial do tratamento é diminuir e, se possível, inibir a dor. Para isto o repouso articular é base principal, conseguido através do afastamento do fator causal e de atividades que possam levar ao agravamento da lesão.

Um adequado aquecimento prévio e cuidar da postura são fundamentais. O uso de talas de plástico na área afetada como imobilização, calor úmido, e outras modalidades de terapia física ajudam na melhoria da dor aguda.

Analgésicos podem ser empregados. Em casos acentuados, curtos períodos de uso de corticosteróides podem ser necessários ou mesmo a infiltração intra-articular tem sua indicação.

A reabilitação física deve ser feita com o objetivo de tirar a dor, mas, sobretudo ela é utilizada como recuperação de amplitude de movimentos e prevenção de recidivas através de exercícios específicos e orientados por profissionais capacitados. Se uma infecção está presente, um antibiótico é necessário. A intervenção cirúrgica de tendinites é infrequente.

Melhora da ergonomia, da qualidade muscular, e principalmente, da autoestima, são fundamentais no sentido de prevenir novas lesões e/ou recorrências das antigas.

Caso o indivíduo não procure o tratamento adequado ou não siga as recomendações médicas, a tendinite pode piorar e trazer problemas sérios que demandam a realização de cirurgias de correção. É provável que a pessoa sofra com ruptura no tendão, enfraquecimento e atrofia dos músculos ao redor da área, por exemplo.

 

Prevenção
  • Correção da postura;
  • Desenvolvimento de campanhas de ergonomia no trabalho;
  • Alongamento dos músculos com frequência;
  • Fortalecimento da musculatura;
  • Inclusão de intervalos na rotina de trabalho;
  • Procedimentos cirúrgicos conforme a necessidade individual de cada paciente. Por exemplo: descomprimir o tendão, liberar aderências e reduzir as inflamações na região em torno do tendão, ressecar fibrose, retirar as calcificações etc.

 

Saúde

Dr. Sergio Munhoz