Prevenção de quedas em idosos

Compartilhar com:


 

Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população idosa vem aumentando consideravelmente e a expectativa é que este número cresça ainda mais. Apesar de todos avanços, uma coisa ainda não mudou: conforme envelhecemos, nosso organismo vai se tornando mais debilitado, de forma natural e gradual. E aí entra a prevenção de quedas em idosos.

Aproximadamente 80% dos idosos com mais de 90 anos não levantam de uma queda sem ajuda. Mais de 60% das vítimas de quedas não recebem ajuda em uma hora e não poderão viver de modo independente depois de se recuperarem da queda. É preciso estar atento à saúde dos mais velhos: estima-se que 30% desta população caia pelo menos uma vez ao ano.

São muitos os fatores associados à queda, como: fraqueza muscular, vertigem, diminuição do equilíbrio, confusão mental, uso excessivo de medicação; problemas de visão.

Mesmo idosos ativos e sem problemas de saúde podem sofrer acidentes, justamente por estarem mais expostos às atividades arriscadas. O avanço da idade demanda a ampliação dos cuidados e as medidas de prevenção no ambiente que uma pessoa mais velha vive.

Mantenha hábitos saudáveis

Praticar atividades físicas para fortalecer a musculatura e aumentar a flexibilidade, assim como manter uma hidratação adequada e alimentação equilibrada são hábitos muito importantes na prevenção de quedas em idosos.

Acompanhamento médico preventivo

As quedas podem ocorrer em decorrência de problemas de saúde que o idoso nem sabe que tem. Por isso, o acompanhamento médico é indispensável para a prevenção de quedas em idosos: comparecer às consultas de rotina com oftalmologista, otorrinolaringologista, cardiologista e geriatra, além de manter exames clínicos em dia, pode salvar vidas.

Iluminação

Os sentidos costumam ficar reduzidos com o avanço da idade e o declínio da visão pode trazer muitos perigos. O ideal é que a luz dos cômodos seja branca-azulada, o que equilibra visões turvas e amareladas. No quarto, é recomendado que haja um interruptor próximo à cama, para que o idoso não tenha que caminhar no escuro e, também, uma lanterna para uso em caso de falta de energia.

Os cômodos da casa mais utilizados pelo idoso devem receber click here atenção redobrada.

Se houver escadas ou desníveis no piso, faixas refletoras nos degraus ajudam na indicação do caminho.

Móveis e objetos

A existência de objetos no chão ou móveis em excesso pela casa pode contribuir para quedas. Cada cômodo pode apresentar riscos e os familiares devem estar atentos para a adaptação do ambiente ao idoso. A maioria das intervenções é simples e fazem muita diferença no cotidiano dos mais velhos.

Reduza ao máximo a quantidade de móveis da casa, mesmo que isso crie um ambiente desagradável, visto que idosos gostam de conservar quase tudo. Mesas, cadeiras, cômodas e criados-mudos em excesso transformam a casa em um labirinto, aumentando ainda mais os riscos de acidentes.

Prateleiras devem estar firmes e a uma altura que se consiga alcançar e eletrodomésticos devem estar bem instalados. Fios e cabos devem estar escondidos e organizados em canaletas.

Cama

A cama do idoso deve possuir altura adequada, de modo que ele firme o pé no chão ao sentar. Se a cama for muito alta, acidentes podem acontecer no processo de subir e descer da mesma.

A instalação de barras para auxiliar a subir e descer da cama pode ser necessária.

Banheiro

É o cômodo mais perigoso da casa, pois tem muitas armadilhas.

Para evitar escorregar, pode-se cobrir o piso com um revestimento antiderrapante. Em caso de tapete, ele deve ser inteiro e de preferência os antiderrapantes que fixam melhor no chão, pois tapetes soltos ou pequenos também representam perigo.

Além disso, a instalação de barras de apoio próximo ao vaso sanitário e no box mantém a autonomia do idoso. Caso ele tenha dificuldade de locomoção ou sinta-se inseguro, recomenda-se o uso de uma cadeira com pés emborrachados para que tome banho sentado.

Ainda sobre a área do chuveiro, retirar o box de vidro ou trocar por um de plástico é uma medida muito eficaz para evitar consequências mais graves em caso de acidente.

—-

Em alguns casos, pode ser necessário que as adaptações sejam mais complexas, alterando a estrutura dos cômodos ou mudando o quarto e rotina do idoso para um único andar da casa, evitando que ele tenha de subir ou descer escadas muitas vezes por dia.  Caso não seja possível, instale corrimão nas escadas e fitas antiderrapantes nos degraus.

Incentive o uso de calçados com sola de borracha, antiderrapantes, que sejam confortáveis e seguros aos pés.

O principal é que a família se envolva nesse processo e fique claro para o idoso que as providências são necessárias para prevenir acidentes e não para tirar sua autonomia.

Para garantir ainda mais tranquilidade, uma casa segura para idosos deve contar com um sistema de emergência pessoal. Além de adotar medidas para prevenção dos acidentes, é necessário ter como agir caso eles ocorram.

Se o idoso faz uso de medicação contínua, é importante ajudá-lo neste controle, para que o medicamento prescrito seja administrado na dose e hora certas.

As incidências mais recorrentes de queda ocorrem em casa, geralmente onde o idoso costuma se sentir mais seguro. Para evitá-las, é importante adaptar os ambientes, tornando a casa mais segura.

São inúmeras as consequências das quedas em idosos e, infelizmente, para eles, este acidente pode ser fatal. Dessa forma, é indispensável que haja conscientização de todos sobre a importância da prevenção das quedas.

 

Saúde

Dr. Sergio Munhoz