15 vantagens em cuidar dos pais em casa

Cuidar dos pais em casa tem diversas vantagens, seja para a família ou mesmo para o idoso. Conforme a população vai envelhecendo de modo acelerado, cuidar dos pais em casa se tornou uma alternativa favorável para muitas famílias – muitas vezes, sendo a única opção.

 

E se você ainda não se convenceu de que cuidar dos pais em casa pode ser prazeroso, funcional e até mesmo econômico, separamos 15 vantagens em cuidar dos pais em casa que farão toda a diferença na sua tomada de decisão e planejamento familiar. Confira!

1) Privilegia o contato entre diferentes gerações

Cada vez menos há trocas entre familiares em diferentes gerações, o que acontecia frequentemente nas famílias tradicionais de antigamente. Este contato é algo saudável e indicado, onde há aprendizados múltiplos, diversão, criação de novas memórias, compartilhamento da afetividade e da amorosidade, etc.

É o que faz de fato uma família ser uma família, ter sentido. Ter idosos em casa é essencial para que as pessoas de outras gerações possam ter noção de sua história e compreender pontos de vista de pessoas de outras épocas, o que pode ser muito esclarecedor, didático e satisfatório.

2) É possível oferecer mais qualidade de vida ao idoso

Nenhum lugar pode oferecer mais qualidade de vida para um idoso do que um lar estruturado com a família que o ama. Alguns sustentam a ideia de que as casas de repouso são mais preparadas e adequadas no cuidado com o idoso – o que pode até ser verdade em alguns casos, como quando o idoso possui doenças mentais e degenerativas, como a Doença de Alzheimer – veja nesta matéria tudo sobre esta doença – em que há dependência 24 horas por dia. Mas nestas instituições não há afetividade e convívio familiar – este tipo de coisa não dá para simular.

Garantir a qualidade de vida ao idoso no convívio familiar indica dar condições sociais, econômicas, sustentáveis, psicológicas e fisiológicas para que o idoso tenha uma vida digna e feliz. É permitir que ele se sinta amparado e que a sua presença seja desejada e indispensável. É poder observar de perto as suas necessidades, de todos os tipos, e apoiá-las no que for preciso.

3) Tem um melhor custo-benefício

Pensar nos aspectos econômicos do cuidado com o idoso é muito importante, já que nesta fase da vida há gastos que até pouco tempo a pessoa não requeria. Isso impacta na sua saúde e qualidade de vida. Cuidar dos pais em casa pode ser mais econômico para a família. Nem todos os grupos familiares têm condições de gastar com pensionatos, asilos e instituições do gênero ou ainda com cuidadores em período integral. A dica é dividir as responsabilidades com os cuidados essenciais do idoso entre os membros da família, mantendo-o no convívio do lar e atribuindo afetividade e amorosidade a quem sempre se dedicou à família.

Os cuidados quanto às limitações de saúde também podem ser melhor direcionados no convívio familiar, mas é preciso aprender mais sobre a velhice, as condições próprias do idoso e algumas práticas testadas por outras famílias ou indicadas por especialistas.

Uma dica é conferir o curso 100% gratuito e on-line Cuidar dos Pais em Casa, aqui no site. Veja ainda o e-book desenvolvido por mim com várias indicações compiladas nestes 30 anos de profissão como médico. Acesse este link e confira! Veja ainda mais informações sobre o programa no vídeo a seguir:

 

 

4) É mais seguro para o idoso

 

De tempos em tempos, vemos em noticiários fatos sobre o descaso, os maus tratos e ambientes institucionais totais, como é o caso das casas de repousos e entidades do gênero, que não preservam a dignidade ou mesmo a segurança do idoso.

 

Ao cuidar dos pais em casa, é possível gerenciar as suas necessidades com mais segurança e prontidão, bastando para isso que a família tenha um pouco de preparo técnico e disposição.

 

5) É um ganho imprescindível para a família

Há uma infinidade de benefícios para a família. É uma oportunidade de conviver com quem já viveu muito, que fez parte de outras épocas e tem muito a contar. Não é à toa que as crianças são tão apegadas aos seus avós e outros membros idosos da família, pois veem nestes, com olhos de curiosidade e contemplação, a possibilidade de atenção, carinho e do contato com memórias e relatos de experiências que nem sempre click here poderão viver por si só. É importante para a família e para o idoso terem um convívio saudável e gratificante, para que haja trocas, criação de novas lembranças e aprendizagem, em múltiplo sentido.

 

6) É mais fácil gerenciar doenças preexistentes

Quando o idoso possui alguma doença ou mal que exige cuidados contínuos, fica mais fácil gerenciar esta situação dentro do convívio familiar, em casa. Em muitos casos, é preciso preparo técnico para ministrar medicamentos, cuidar da higiene pessoal e íntima e dar todo o conforto, segurança e atendimento ao idoso, naquilo que ele precisa.

 

7) Dá mais condições dos filhos entenderem o que é o processo de envelhecimento

O convívio é também um processo de aprendizagem. Como o envelhecimento faz parte indissociável da vida, aprender mais sobre este processo dá aos mais jovens mais condições de se prepararem, de ter alteridade e se colocar no lugar do outro e compreenderem melhor a dimensão humana e a si mesmos.

 

8) É possível retribuir o cuidado e o carinho que os pais sempre tiveram pelos filhos

Desde que você nasceu, seus pais deram a você os cuidados que você necessitou. Pelo menos, é via de regra receber o apoio e os cuidados dos pais. Eles jamais deixarão de ser seus pais e você de ser filho ou filha. Talvez esta seja uma oportunidade para retribuir esta atenção e cuidados.

 

Veja abaixo qual o legado que você pode deixar aos seus pais idosos:

 

 

9) Ajuda a motivar os momentos em família

Uma família se faz pela convivência e pelos momentos que têm juntos. Ter um idoso em casa muitas vezes acaba reunindo irmãos, netos, primos, tios e outros parentes, sendo que o sentido de família que revigora.

 

10) É mais fácil motivá-lo

Os idosos têm a tendência de não se sentirem úteis ou integrados à família. Além disso, nem sempre esta fase da vida é compreendida e aceita pelo idoso, o que pode gerar problemas de ondem emocional e psicológica.

 

Todo indivíduo, independentemente da idade, precisa de motivação. É importante motivar o idoso a viver coisas que gosta ou que ainda não teve a oportunidade. Motivação significa, em latim, mover, acessar aquilo que nos move internamente. A família, neste sentido, tem muito a oferecer.

 

11) Previne contra doenças e ativa os processos de cura

O convívio familiar, de acordo com várias pesquisas realizadas em todo o mundo, melhora e ativa os processos de cura – muito mais do que ocorreria, por exemplo, em um hospital ou entidade. Pode prevenir doenças mentais, como a depressão, por exemplo, que é a doença mental que mais atinge os idosos.

 

Já falamos a depressão na terceira idade nesta matéria. Confira!

 

12) É uma alternativa à falta de políticas públicas

No Brasil, carecemos de políticas públicas em favor da terceira idade e do envelhecimento crescente da população. Neste sentido, é a família que deve assumir, muitas vezes, responsabilidades que poderiam ser supridas com programas sociais e de saúde. Para garantir a segurança e a qualidade de vida do idoso, é preciso comprometimento familiar.

 

13) É favorável para garantir o convívio social

Muitos idosos, a maioria, continuam ativos na terceira idade, o que é muito satisfatório. Vemos atualmente pessoas acima de 80 anos viajando em grupo, saindo com os amigos, fazendo cursos, estudando e muito mais. Estimular o convívio social do idoso é uma das funções do grupo familiar. Mesmo quando o idoso tem restrições mentais ou físicas devido ao avanço da idade, a própria família é o seu núcleo social e este convívio deve ser garantido.

14) Dá mais independência aos idosos

Quando a família apoia o idoso e quando ele tem condições físicas e mentais para ser mais autônomo, ele se torna mais independente. A independência para a maioria dos idosos é um bem preciso. Estimule sempre a iniciativa do seu idoso para que ele seja livre para viver a sua vida da forma como lhe convém, fazendo atividades que gosta.

 

15) O importante é ser feliz em todas as fases da vida

A felicidade vem de dentro e não do seu entorno. Mas são os convívios e trocas que desencadeiam reações internar que promovem a felicidade. Independentemente da fase que você se encontra na sua vida, seja idoso, jovem ou uma pessoa de meia idade, faça da experiência de cuidar dos pais em casa um impulsionador positivo na sua vida.

 

Veja também: Depressão na terceira idade – O que é? Como tratar?

 

Gostou da matéria? Deixe um comentário a seguir!